Space Guide #5 | A alvorada da vida.

Postado por: || Marcadores:
Heey Pinguins!

Nesse capítulo, Bonnort e Bills finalizaram mais uma aventura, agora só faltam duas pedras para finalmente reconquistarem o planeta terra! Clique em "continue a ler o artigo" para ler o capítulo completo! Boa leitura!




Acordei com vislumbros de uma imagem não tão nítida, mas vejo Bonnort jogando duas bolas no chão, e delas saem uma fumaça branca, que vai nos contornando até ficarmos dentro de duas bolhas separadas. Aquilo parecia as duas bolas que Bonnort jogara no chão.

Abro os meus olhos, a claridade da luz do sol enche meus olhos de luz. Me vejo em um labirinto de pensamentos, onde estou de mãos atadas a fazer algo. Ao meu lado vejo uma pedrinha verde brilhante, fico com um ódio repentino daquele objeto, foi por causa dele que perdi o Lamusta. Uma aventura inútil, para pegar uma simples pedra que brilha. Quem liga para um planetinha idiota chamado de terra? Bonnort estava ao meu lado, ele tinha estava com um prato, com um comprimido dentro. Ele adicionou água ao comprimido, e logo ele se tornou um prato de comida normal, coisa que eu não tinha comido à um tempão.

- Bom dia. - Falei, e logo ao sair da bolha, ela se comprimiu e se tornou uma pequena bolinha, o que ela era antes. -

- Bom dia. - Respondeu. - Finalmente acordou, se estiver com fome, tem mais comprimidos na bolsa. Use pouca água, nossa reserva está acabando. - Continuou. -

- Ok. - Peguei um comprimido, eu queria comer uma lasanha, mas não sabia se tinha aquilo lá. Despejei uma gotinha no comprimido, e logo ela se tornou em uma grande e bela lasanha. -

- Ah, o sal da comida é decidido na quantidade de gotas. Uma gota, é muito sal, duas é normal, e três é sem sal algum. A mesma coisa é com doce. É só pensar na comida, que ele lhe dará. - Falou. -

Coloquei o primeiro pedaço no bico. Imagina você colocar todo o sal do mundo no bico e aumenta isso mil vezes, ainda não chega nem perto a sensação de comer aquilo.

- Gostou? - Provocou Bonnort. -

- Huummmm, que delícia! Adorei! - Menti. -

Bonnort pegou um pó da bolsa, e colocou em minha lasanha.

- Pronto. - Falou. -

Comi a lasanha, até o momento, estava tudo um silêncio só. Após terminar a lasanha, perguntei o que iriamos fazer em seguida.

- Vamos procuras as duas pedras restantes. - Respondeu. -

- Mas, estamos tão próximos de encontrar a próxima pedra do poder, quanto estamos próximos de encontrar um uso para elas. - Retruquei. -

- Bills, você saiu nessa jornada para tentar salvar o seu mundo, nosso mundo. Teremos tempo suficiente até eles destruírem nosso planeta, coisa que temo acontecer caso não consigamos encontrar todos os elementos. - Respondeu em tom calmo. -

- E nossa nave? E o Lamusta? - Perguntei. -

- Nossa nave, está ancorada logo ali. Já o Lamusta, posso dizer qu.. que ele passou de fase, está em um lugar melhor, espero. - Respondeu, em um tom calmo. -

Peguei a pedrinha, que tinha bordado nela um simbolo, uma folha verde escuro, simbolizava a natureza, a vida. Pensei nos momentos de minha vida simplória. Naquele momento eu estaria tomando meu chá, acompanhado de biscoitos. Depois iria para minha agência, brigar com mais pessoas. Minha vida mudou muito.

Se pensar bem, naquele local não tinha nenhuma coisa parecida com agência, mas se eu pegar uma pedrinha, umas coisinhas até que parece, acho. Percebo que estou falando um pouco alto, e mexendo em pedrinhas, tudo de uma forma meio.. Doentia.  Baah! Eu não sou aquilo. Me levantei, e falei: 

- O Lamusta não morreu por nada! - Na verdade, isso foi o que pensei em falar, na verdade falei isso:

- O nada não Lamusta por morreu! - Falei. -

- Hã? - Perguntou Bonnort. -

Ah cara, eu não sei o que estou falando. Minha voz não responde a o que eu peço, sério!

- O fato é que Lamusta é pedra verde! A morreu vamos procurar! Se for verde, no caso.

É não estou bem, acho que é o efeito do sal. 

- Vamos lá, temos de procurar as duas pedras restantes! - Falei. -

- Sim! Sim! - Falou Bonnort. - É esse o espírito! Querer morrer com vontade, não tem melhor opção!

- Morrer? - Perguntei. -

Morrer?! Cara, acho que o Bonnort pirou!  Sério, não quero nem sonhar em morrer. 

- O Lamusta, ele morreu feliz, com vontade. - Disfarçou. -

- Quero um enterro. - Falei. - Do jeito que ele sempr..

Criaturinhas corriam em minha direção, as mesmas criaturinhas que vimos nos templos.

Ah não, outra batalha não! Sério, já cansei disso.

Antes mesmo de dar tempo de gritar para o Bonnort correr, as criaturinhas já haviam pulado em nós, mas não estavam lançando feitiço nem nada, estavam brincando.

- Agora eles lhe pertencem! Mas isso é pouco.. Cadê o resto? - Perguntou. -

- A quantidade tem haver com as pedras? - Fiz outra pergunta. -

- Sim, dependendo do números de pedras, você contribuiria outro planeta. No total, o deus após ser derrotado, ele lhe dá cinco pedras, uma após a outra, com um intervalo de 1 minuto. - Respondeu. - Quantas você tem?

- Er... Uma. - Falei. -

Ah, sou burro mesmo, é claro que o deus iria me dar cinco pedras, é claro.. 

- Cinco ajudaria muito, mas uma já serve. - Falou. - Mande esses guardiões para a nave, vão ajudar muito.

- Gostei desse, posso ficar? - Perguntei. -

- Claro! - Respondeu Bonnort. -

Seguro a minha pedra na mão, e após isso, giro-a três vezes, em um movimento meio involuntário. Após isso, algumas plantas nascem no local onde o símbolo estava apontando.

- Vida, é isso! - Falei. -

Continua..

Mais um capítulo finalizado! No próximo capítulo Bonnort e Bills irão viajar para mais um planeta, aguardem!

Sleep,